Cirurgia Micrográfica de Mohs

A Cirurgia Micrográfica de Mohs é uma técnica especializada para o tratamento do câncer da pele. Atualmente é a melhor técnica para realizar a cirurgia de retirada de tumor na pele, pois apresenta os menores índices de reincidência, pois faz a retirada de todas as margens do tumor com precisão.

Qual a diferença entre a Cirurgia Micrográfica de Mohs e a Cirurgia Convencional para remoção do câncer de pele?

A técnica consiste na avaliação de 100% das margens cirúrgicas, ao contrário da avaliação convencional em que menos de 1% das margens são avaliadas. Além disso, a avaliação microscópica das margens cirúrgicas ocorre durante a cirurgia, eliminando a necessidade de “se estimar” o quanto deve ser excisado como é feito na técnica convencional (4mm, 6mm ou até 1cm de margens de acordo com o câncer). Essa avaliação durante a cirurgia é associada a um mapeamento detalhado, o que permite que o cirurgião de Mohs remova todas as células cancerígenas, até as margens estarem livres (sem câncer). Além da certeza de que todo o câncer foi removido, os defeitos cirúrgicos tendem a ser menores porque tecido sadio é poupado, o que implica em reconstruções menores.

Como é feita a Cirurgia Micrográfica de Mohs?

O procedimento consiste em remover uma margem de pele de cada vez ao redor do câncer. Após serem removidas, as margens cirúrgicas são avaliadas no microscópio em busca de câncer enquanto o paciente aguarda na sala de cirurgia. Se as margens estiverem livres, fecha-se a ferida operatória. Se comprometidas, mais tecido é removido, apenas onde foi identificado tumor. Isso se repete até que todas as margens estejam livres de câncer. Consequentemente, a cirurgia de Mohs elimina a “adivinhação” na remoção do câncer, levando aos melhores índices de cura e resultados cosméticos. De nada adianta uma ótima reconstrução se tumor foi deixado no paciente. Isso poderá ter consequências catastróficas no futuro com recorrências sob o retalho/enxerto realizado. Por isso, vale ressaltar que o objetivo número um da cirurgia de Mohs é a remoção completa do câncer, seguido do benefício de se poupar tecido sadio.

IlustrMohs


É possível tratar qualquer tipo de câncer de pele com a Cirurgia Micrográfica de Mohs?

Não, nem todos os cânceres de pele devem ser tratados com a técnica. Há diversas indicações para a cirurgia de Mohs, sendo a presença de uma delas o suficiente para a cirurgia ser indicada nos casos de carcinoma basocelular e espinocelular:

– Tumores recorrentes (já operados ou tratados previamente);
– Tumores ≥ 0,6 cm em áreas de alto risco (pálpebras, nariz, orelhas, perioral, genitais e dedos), ≥1cm em áreas de médio risco e ≥ 2 cm em outros locais;
– Tumores em áreas de alto risco (pálpebras, nariz, orelhas, perioral, genitais e dedos);
– Tumores com contornos mal delimitados clinicamente;
– Tumores incompletamente removidos;
– Tumores histologicamente mais agressivos. No caso de basocelulares: micronodular, infiltrativo ou esclerodermiforme.